Sou médico brasileiro, formado pela UFRJ, há 34 anos, atualmente trabalho no Hospital Universitário da USP e conheço muito bem a medicina cubana. Ela é de alto nível. E não sou eu quem diz, é a Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse senhor da AMB não me representa ao dizer esses absurdos sobre os colegas de lá e sobre a formação médica daquele país. Participei de duas Conferências Médicas Brasil/Cuba em Havana e conheci quase toda a estrutura de saúde deles. Discuti com vários médicos e outros profissionais de saúde cubanos. Eles são muito bons no que fazem. Tive que tirar o chapeú. Poranto, só posso interpretar essa opinião do presidente da AMB como puro preconseito anticomunista. 
 
Sobre os problemas da saúde no Brasil, gostariade falar alguma coisas. É claro que o SUS é subfinanciado. É claro que é um absurdo essa chamada lei de responsabilidade fiscal - que deveria ser chamar "lei de prioridade aos banqueiros", que estrangula a sociedade e particularmente a saúde pública, em benefício de especuladores. Muitas prefeituras não têm recursos suficientes para cobrir seus compromissos financeiros e garantir uma saúde de boa qualidade. Acho que a solução mais profunda do problema de falta de assistência de saúde passa é claro por aumentar muito os recursos para a saúde. Passa por modificar essa lei absurda que estrangula os municípios. Passa também pelo desenvolvimento mais planejado do país e não por essas gritantes diferenças regionais provocadas por um desenvolimento deformado pela ganância neoliberal. Não sou contra que, em caráter emergencial, se traga os médicos estrangeiros para os municípios onde não há médicos e para aqueles municípios para os quais nós médicos brasileiros não queremos ir. Por fim, vamos parar com essa farsa de validação do diploma poque, apesar de premiada no mundo inteiro, a medicina cubana não seria aprovada por pessoas com a visão torta expressa pelo senhor Florentino Cardoso. Aliás,é bom lembrar, que o índice de aprovação na prova do CREMESP foi baixíssimo. O problema do senhor Florentino Cardoso é que existe uma elite médica minoritária que é colonizada pela medicina americana.