MS: Pistoleiros realizam novos ataques a índios Guarani Kaiowa

 

Um novo ataque a indígenas das tribos de Guarani e Kaiowa aconteceu na noite desta segunda-feira, dia 11, no município de Caarapó (MS). Homens armados em quatro caminhonetes e um trator invadiram o acampamento na Terra Indígena (TI) Dourados-Amambaipeguá e atacaram violentamente os indígenas. Três pessoas foram atingidas por disparos de armas de fogo, sendo um adulto de 32 anos, e dois jovens, de 15 e 17 anos. O ataque ocorreu sob a presença da Força Nacional de Segurança.

Esse é o terceiro ataque aos indígenas de Caarapó em menos de um mês. Além do massacre que deixou uma pessoa morta e mais de seis feridas no dia 14 de junho, os indígenas de Caarapó ainda enfrentam uma ordem de reintegração de posse contra a comunidade instalada em outro acampamento que compõe a mesma TI. Ameaças de prisões de lideranças e relatos de perseguições sofridas pelos Kaiowa e Guarani se tornam cada vez mais recentes. 
No dia 19 de junho, indígenas disseram que outro ataque á tiros foi efetuado por homens em caminhonetes, porém ninguém ficou ferido.

Contudo, o último ataque foi mais violento. Segundo os Kaiowa, por volta das 21 horas desta segunda, as famílias estavam dançando guaxiré e rezando, quando visualizaram um trator e quatro caminhonetes rondando a área do equipamento, além de sons de disparos. Cerca de uma hora depois, os veículos se aproximaram do acampamento. “Eles vinham bem devagarzinho. Na frente, o trator com os faróis acesos. Atrás, as caminhonetes, de luzes apagadas. Aí eles começaram a gritar ‘sai daí, seus vagabundos!’, e vinham na nossa direção atirando”, relata um dos sobreviventes.

Indígenas que sofreram o ataque afirmam reconhecer ao menos quatro dos homens que os atacaram à noite como proprietários e funcionários de fazendas da região.

Outro ataque á tiros também foi realizado na noite desta terça-feira, dia 12, em um acampamento Guarani Kaiowa e Kurusu Amba, na cidade de Coronel Sapucaia, localizado na fronteira do Mato Grosso do Sul com o Paraguai. Não há notícias de pessoas feridas, mas um grupo de crianças fugiu para o mato e permanece desaparecida. O relato é da liderança indígena da aldeia, Ava Jeguaka Rendy Ju, que presenciou a ação dos pistoleiros. Este é o quarto ataque desde fevereiro nos acampamentos de Kurusu Amba, onde quatro indígenas já foram assassinados no contexto da luta pela terra.  

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!