Morre José Ibrahim, líder sindical que liderou oposição à ditadura em 1968

 

Ele foi um dos presos políticos trocados por embaixador americano. Corpo está sendo velado na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Morreu nesta terça-feira (2) o sindicalista  José Ibrahim, de 66 anos, líder da greve de Osasco em 1968, à frente do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Osasco, um dos primeiros movimentos de resistência à ditadura militar.  O corpo passa por autópsia e deverá ser velado na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Ibrahim assisitiu a um jogo de futebol pela televisão na noite de quarta-feira (1) e depois foi para seu quarto. A mulher e o filho saíram para trabalhar pela manhã e o deixaram dormindo. O corpo do sindicalista foi encontrado pela família no início da tarde.


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou a morte de Ibrahim.

"Em 1968, ainda jovem, José Ibrahim atuou para organizar os trabalhadores de Osasco e, defendendo seus ideais, enfrentou a prisão e o exílio. De volta ao Brasil, ajudou a fundar o PT  e seguiu militando no movimento sindical até o fim de sua vida. Neste momento de perda, estendemos nossa solidariedade para todos os amigos e parentes de José Ibrahim", diz a nota, assinada por Lula e dona Marisa.

Após a greve de Osasco, Ibrahim foi demitido sem receber pelos direitos,  passou a viver como clandestino e entrou para  a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).  Preso, foi torturado e mais tarde integrou o grupo de 15 presos políticos trocados pelo embaixador  dos EUA Charles Burke Elbrick em setembro de 1969. Ele viveu dez anos no exílio.

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!