Moro prorroga por mais cinco dias prisão temporária do almirante Othon Pinheiro

Apesar da Polícia Federal concluir que não há indícios que comprovem a fraude envolvendo o almirante Othon Pinheiro da Silva, o juiz Sérgio Moro decidiu prorrogar por mais cinco dias a sua prisão temporária. O almirante deverá ser solto na quinta-feira (5). O executivo da Andrade Gutierrez, Flávio David Barr, também permanece detido. O MPF pediu a transformação da prisão temporária em prisão preventiva (sem data data para liberação), mas o juiz negou o pedido.

Segundo a PF, os documentos apreendidos e depoimentos não foram suficientes para comprovar fraudes em licitação em Angra 3. “Não foi possível comprovar o pagamento de vantagens indevidas a servidores da Eletronuclear”, acrescenta a nota da PF.

Diante da insitência do MPF em transformar a prisão temporária em preventiva, Moro deu o seguinte parecer: "Apesar disso, mesmo estando presentes os pressupostos e fundamentos da prisão preventiva, resolvo, em vista do histórico profissional do investigado Othon Luiz Pinheiro da Silva, com serviços relevantes prestados ao país na área de desenvolvimento da energia nuclear, e diante de sua afirmação de que poderiam ser esclarecidos, documentalmente, os serviços prestados pela Aratec que teriam justificado os aludidos repasses, resolvo, em benefício dos dois investigados, no presente momento apenas prorrogar a prisão temporária por mais cinco dias", diz trecho do despacho.


Fonte G1

 

 

 

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!