MISSÃO EM MOSCOU

MISSÃO EM MOSCOU

 

 
19/01/2013
MISSÃO EM MOSCOU
Michael Curtiz (1943), com Walter Huston, Ann Harding e Oskar Homolka, EUA, 123 min.  
 
Sinopse
Baseado no livro do embaixador americano Joseph E. Davies, que apresenta suas observações sobre a vida soviética e os preparativos para enfrentar a máquina de guerra nazista. O livro, quando lançado, em 1941, se tornou um best-seller, com 700 mil exemplares vendidos, traduzido em 13 línguas, e teve notável papel na luta pelo estabelecimento da frente única que derrotou o nazismo. Davies, que assistiu às sessões dos rumorosos Processos de Moscou, extrai deles a seguinte conclusão:
Passando por Chicago, a caminho do lar, em princípios do mês de junho, fui convidado pela minha antiga Universidade para falar no Clube Universitário, em combinação com as sociedades de Wisconsin. Havia apenas três dias que Hitler tinha invadido a Rússia. Alguém na reunião perguntou“Que há sobre a quinta-coluna na Rússia?”. Imediatamente respondi: “Não existe, seus membros foram fuzilados”.
No trem, aquele pensamento persistiu em meu cérebro. É algo extraordinário, quando se começa a pensar nisso, que, nesta última invasão nazista, não tenha aparecido uma única palavra sobre “trabalho interno” atrás das linhas russas. Não houve e não se produziu a tão esperada “agressão interna” em cooperação com o Alto Comando Germânico. A marcha de Hitler sobre Praga, em 1939, foi acompanhada de ativo apoio militar prestado pelas organizações de Henlein. O mesmo aconteceu na invasão da Noruega. No caso da Rússia não houve Henleins sudetos, Tisos eslovacos, nem Degrelles belgas, nem Quislings noruegueses".
 
Direção: Michael Curtiz (1886-1962) 
Manó Kertész Kaminer nasceu em Budapeste, na Hungria. Estudou na Universidade de Markoszy e na Academia Real de Teatro e Arte, ambas em Budapeste, onde ganhou seu diploma, em 1906. Começou a carreira de ator e diretor sob o pseudÃ?nimo de Mihály Kertész, no Teatro Nacional Húngaro, em 1912, ano em que dirigiu seu primeiro filme.  Quando a 1ª. Guerra Mundial eclodiu, Curtiz serviu na artilharia do Exército Austro-Húngaro por pouco tempo, até retornar ao seu trabalho no cinema, em 1915. Em 1919 realizou a adaptação de um popular poema de Antal Farkas, o que resultou no filme "Jön Az Öcsém", sobre um jovem que retorna ao lar, após participar da revolução húngara ocorrida naquele mesmo ano - única obra resgatada das 38 que o diretor realizou em seu país de origem. 
Quando chegou nos EUA, em 1926, Kertész adotou o nome de Michael Curtiz. Lá, dirigiu cerca de 100 filmes, entre os quais figuram clássicos como "As Aventuras de Robin Hood" (1938), “Anjos de Cara Suja” (1938), "Casablanca" (1942), "Passagem para Marselha" (1944), "Missão em Moscou" (1943), “The Breaking Point” (1950), “Não Somos Anjos” (1955), "Balada Sangrenta" (1958), "As Aventuras de Huckleberry Finn" (1960). Ganhou o Oscar de Melhor Diretor com "Casablanca", em 1944.  
 
Argumento Original: Joseph E. Davies (1876-1958)
Joseph Edward Davies nasceu em Wisconsin e tornou-se presidente do Partido Democrata daquele estado, em 1907. Advogado milionário, casado com a proprietária da General Foods Corporation, Davies era amigo de infância do presidente Franklin Roosevelt. Ambos integraram a ala progressista do Partido Democrata, que mudou este velho partido no início do século 20. Depois que Roosevelt tornou-se presidente (1933), Davies preferiu dedicar-se a seus negócios particulares. Mas, em agosto de 1936, foi chamado à Casa Branca. Roosevelt, que estabelecera relações diplomáticas com a URSS no início de seu governo e acreditava cada vez menos na possibilidade de deter o nazismo através da “política de apaziguamento”, necessitava de alguém que lhe transmitisse com franqueza a verdade sobre o país dos sovietes. Davies aceitou a missão. De seu trabalho como embaixador na URSS (1936-38) resultou o livro "Missão em Moscou", publicado em 1941. Em 1938, o diplomata passou a representar os EUA na Bélgica até retornar ao seu país, em 1939, início da 2ª. Guerra Mundial. Em 1943, Davies viaja à URSS, para entregar uma carta de Roosevelt a Stalin. Recebeu nos EUA a medalha de Honra ao Mérito, na URSS a Ordem de Lenin e na França a Ordem Nacional da Legião de Honra.
O roteiro de “Missão em Moscou” é assinado por Howard E. Koch, que também colaborou com Curtiz no roteiro de “Casablanca” (1942) e com Max Ophuls em “Carta de Uma Desconhecida” (1948), adaptando o argumento original de Stephan Zweig. Colhido pela “lista negra de Hollywood”, Koch migrou para a Europa em 1951.  
 
Música Original: Max Steiner (1888-1971) 
Maximilian Raoul Steiner era austríaco. Afilhado de Richard Strauss, estudou piano com Brahms e composição com Mahler. Trabalhou em Nova Iorque, a partir de 1914, como diretor musical, arranjador e maestro da Broadway. Em 1929, foi para Hollywood, onde é muitas vezes citado como o “pai da música para cinema”. CompÃ?s centenas de trilhas, entre as quais as de “King Kong” (Merian C. Cooper, 1933), “O Delator” (John Ford, 1935), “Jezebel” (William Wyler, 1938), “E o Vento Levou” (Victor Fleming, 1939). “Casablanca” (Michael Curtiz, 1942), “Missão em Moscou”   (Michael Curtiz, 1943), “Horas de Tormenta” (Herman Shumlin, 1943), “O Tesouro de Sierra Madre” (John Huston, 1948), “Rastros de Ódio” (John Ford, 1956).  
facebook