Fernando Brito: Os filhotes “rebeldes” da direita têm menos culpa que seus "papais" da mídia

Fernando Brito: Os filhotes “rebeldes” da direita têm menos culpa que seus "papais" da mídia

 

Sobrou, com todo o merecimento, para os black blocs o saldo das confusões de ontem.

De fato, eles fazem jus ao que se tornaram hoje, diante de todos: um bando de babacas pueris que age com métodos fascistóides e se incrustraram nas manifestações udenistas das quais os  coxinhas cansaram.

Mas tem de ficar clara, também, a responsabilidade dos “papais” dos meninos mal-comportados: a mídia e a oposição.

Não passaram a semana inteira falando das “maiores manifestações” que o país assistiria no Sete de Setembro?

Não deram não sei quantas centenas de molhares de pessoas “confirmadas”?

O que (não) aconteceu?

O jornalismo brasileiro vai se tornando, cada vez mais, mera peça de propaganda.

E os jornais, em si, meros “black blocs”  nas bancas, ocupados em acusar, agredir e destruir,

Sua cobertura de política é a do moralismo udenista, que aponta todos os ladrões que não sejam os seus, como se viu no caso da sonegação da Globo e no tucanoduto da Siemens..

O jornalismo de economia varia entre prever o caos, a catástrofe e o desastre.

A de acontecimentos da vida cotidiana, apenas celebridades, sexo banal e insensibilidade para com o sofrimento diário da população, como no caso dos médicos cubanos.

Têm a mesma rasíssima profundidade que qualquer cabecinha black bloc. Tão dona da verdade quanto eles.

Na TV, o panorama é pior. O padrão é Ratinho, Datena e Pedro Bial. A solução para a infância é o Criança Esperança, um espécie de McDia Feliz televisivo.

Ah, esqueci: temos o “você decide” no STF, com o julgamento do mensalão.

Francamente, estamos mal para uma “imprensa livre”, não é?

Agora há pouco, meu parceiro Miguel do Rosário mostrou a semelhança do que fizeram com as manifestações de agora e o que faziam, quase 50 anos atrás, para derrubar um governo progressista.

Foi muito parecido ao que os brasileiros já viram. E só mesmo sendo tolo ou pretensioso, deixa-se de ver que ali está o velho, fazendo-se de novo.

No lugar dos véus das carolas, máscaras, no lugar dos estandartes da TFP, a bandeira preta, no lugar das velhas senhoras, jovens tão incapazes de aceitar os outros quanto elas eram.

Saem da mesma classe média, tem o mesmo discurso de uma suposta “moralidade” – que nunca inclui no rol das imoralidades a exploração humana, a injustiça social ou a dominação colonial.

Congregados piedosos ou depredadores insensatos existem em qualquer sociedade e em qualquer tempo.

E, em qualquer tempo, são os interesses dominantes, que a mídia expressa e promove, que os fazem descer à insignificância ou se tornarem ferramentas de seus projetos.

A mídia brasileira manipula muita coisa.

Manipula, sobretudo, os idiotas.

Porque o conservadorismo é tão disforme e horrendo, que não pode se mostrar de cara limpa.

Usa véus, usa máscaras.

Que alguma hora caem.

Por: Fernando Brito 

Fonte Conversa Afiada

facebook