Extratos bancários desmentem invencionices de Cunha e mostram movimentações em contas

 

Extratos de uma das contas na Suíça da qual o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), se diz “usufrutuário” contradizem a versão até então apresentada pelo peemedebista de que, após 2011, os recursos não foram movimentados.

A informação foi divulgada na edição desta quinta-feira (12) do jornal “Folha de S.Paulo”.

De acordo com os extratos, Cunha movimentou cerca de 1,3 milhão de francos suíços (US$ 1,3 milhão) em 2014, pouco antes de encerrar a conta.

 

O valor equivale a um depósito na conta, feito em 2011 por meio de cinco transferências, por João Augusto Henriques, lobista supostamente ligado ao PMDB. Investigado na Operação Lava Jato, Henriques disse em depoimento ao Ministério Público Federal que o dinheiro teria sido desviado de um contrato da Petrobras para a exploração de petróleo em Benin, na África.

 

Em entrevista concedida ao G1 e à TV Globo no último dia 6, Cunha disse que só soube do depósito um ano depois de o dinheiro aparecer na conta e, como a origem era desconhecida, orientou o truste (entidade legal que administra propriedades e bens em nome de um ou mais beneficiários mediante outorga) a deixar o dinheiro parado, sem movimentação.

 

“O truste nem sequer aplicou na taxa de juros mínima [...]. Qualquer ativo adicional precisa ser contratado, até porque o truste não quer ser associado a uma possível lavagem de dinheiro”, disse Cunha na entrevista.

 

O lobista João Henriques diz que fez a transferência a mando do economista Felipe Diniz, filho do deputado Fernando Diniz, ex-líder do PMDB na Câmara, morto em 2009. Eduardo Cunha diz acreditar que o 1,3 milhão de francos suíços depositados na conta seriam pagamento de uma dívida que o pai de Felipe Diniz, o ex-deputado Fernando Diniz, teria contraído com Cunha antes de morrer.

 

Apesar de Cunha negar ter usado o dinheiro, os extratos mostram que, em 10 de janeiro de 2014, a conta da empresa offshore Orion SP, da qual ele é beneficiário, movimentou 387 mil francos suíços para compra de ações da Petrobras. Três dias depois, a conta converteu a quantia em US$ 362 mil e os depositou em conta no banco Julius Bär.

 

Ainda de acordo com os extratos, foram transferidos da mesma conta 970 mil francos suíços à empresa Netherton Investiments PTE Ltd., em Cingapura (veja imagem abaixo). Segundo investigadores suíços, Cunha é o único beneficiário da conta dessa empresa. Um dia depois da transferência, a conta estava com saldo zerado e foi encerrada.

 

Informações do Ministério Público Suíço e investigações da Procuradoria Geral da República indicam que Cunha manteve quatro contas bancárias na Suiça, abertas entre 2007 e 2008.

Duas dessas contas teriam sido fechadas pelo peemedebista no ano passado, em abril e maio. As outras duas, com saldo de 2,4 milhões de francos suiços (cerca de US$ 2,4 milhões ou R$ 9,3 milhões), foram bloqueadas pelo Ministério Público daquele país.

 

No último dia 7, em entrevista ao G1 e à TV Globo, Cunha reafirmou que não tem contas bancárias no exterior nem é proprietário, acionista ou cotista de empresas fora do país. Ele admitiu, contudo, ser "usufrutuário" de ativos mantidos na Suíça e não declarados à Receita Federal e ao Banco Central porque, segundo afirmou, são recursos que obteve no exterior, mantidos em contas das quais não é mais o titular. Cunha diz ter um contrato com um truste proprietário de recursos "de origem antiga" que ele acumulou no exterior nos anos 1980.

 

O presidente da Câmara responde a processo no Conselho de Ética da Casa, no qual é acusado de quebra de decoro parlamentar por ter supostamente mentido ao declarar à CPI da Petrobras que não tem contas fora do país.

Com informações da Folha e do G1

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!