Dirceu critica política de juros de Dilma

Dirceu critica política de juros de Dilma

Uma recente publicação do FMI (Fundo Monetário Internacional) mostra que o Brasil é o terceiro país do mundo com mais despesas com os juros da dívida pública. Esse montante equivale a 5,7% da renda nacional. Só ficamos atrás da Grécia, em plena crise econômica, e o Líbano, que sofre os custos de guerra.

Os dados foram coletados em 2011. Desde então, houve uma queda, para 4,9%, o que não foi suficiente para nos tirar do ranking dos maiores pagadores de juros.

São cerca de R$ 200 bilhões todos os anos. O mais grave é seu caráter concentrador de renda. Uma minoria de brasileiros é beneficiada pelo pagamento, já que detém títulos do Tesouro e é credora do governo federal.

Fora o fato de que, se pagássemos a metade dos juros, teríamos R$ 100 bilhões a mais por ano para investir em saúde, educação e mobilidade urbana.

Daí a nossa oposição ao aumento da taxa Selic e aos altos juros cobrados no país, com o maior spread do mundo. Aqui somos campeões.

Por isso vale a pena ler o artigo do economista Amir Khair no Estadão desse domingo, com o título “Decida-se, presidente”, no qual discute exatamente a política do Banco Central de aumentar a taxa Selic para 9,5% e talvez 10% até o fim do ano.

“Há uma montanha de dólares especulativos aplicados em títulos federais que supera US$ 220 bilhões (!). Esses capitais especulativos lucraram, em média nos últimos seis anos, US$ 10 bilhões por ano. Esse ganho de estrangeiros se faz em cima de todos nós através dos tributos que pagamos ao governo federal”, afirma.

“Mas outros danos piores ocorrem devido à Selic acima do nível internacional: a) rombo nas contas externas, que deve superar US$ 80 bilhões neste ano devido ao real supervalorizado perante o dólar; b) elevação dos custos de carregamento dos US$ 387 bilhões das reservas internacionais, que foram constituídas fundamentalmente com compras de dólares mediante emissão de títulos federais e c) ao tornar artificialmente barato o produto estrangeiro reduz-se mais ainda a competitividade do produtor local, que já tem contra si alta carga tributária e de juros, além de precária infraestrutura e burocracia infernal. É o que explica que o aumento do consumo das famílias cada vez mais é atendido pelo produto importado.”

 

Fonte Blog do Dirceu

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!