CUT entra na campanha contra a retomada dos leilões de petróleo

CUT entra na campanha contra a retomada dos leilões de petróleo

 

 

A CUT condenou o 11º leilão de petróleo da ANP - após cinco anos sem leilões -, realizado no dia 15 de maio, e as medidas privatizantes. Segundo a central, as ações vêm na contramão do projeto político que elegeu o atual governo. A seguir, a resolução da Executiva Nacional da CUTdivulgada no site da entidade, dia 21 de maio.

RESOLUÇÕES

1. A CUT, que condenou a realização da 11ª rodada de Licitações do Petróleo, organizará uma campanha nacional contra os próximos leilões que se anunciam, questiona medidas privatizantes contrárias ao projeto político que elegeu o atual governo.

2. A CUT, que batalhou, ao lado dos portuários, pela defesa dos direitos dos trabalhadores e relações de trabalho no bojo  da MP 595, conquistando-as no processo de mobilização e de negociação, reprova qualquer proposta que venha a ampliar  a privatização dos portos. A CUT acompanhará atentamente a regulamentação da nova MP para que não haja retrocessos em relação aos direitos dos trabalhadores.

3. A CUT reafirma sua posição em relação ao 11º Concut de exigir o fim da desoneração da contribuição  patronal em folha do INSS e defenderá essa posição em todos os foros com o governo em que participa e exigirá contrapartidas trabalhistas e sociais para todas as eventuais isenções fiscais ou créditos públicos subsidiados que beneficiem o empresariado

4. A CUT exigirá na mesa de negociação com o governo federal de 11 de junho que seja estabelecido um calendário com “início, meio e fim” de discussão de todos os pontos da plataforma das Centrais Sindicais entregue no dia 06 de março, em particular a redução da jornada de 40 horas, fim do fator previdenciário e reforma agrária.

 

São Paulo, 21 de maio de 2013.

 

EXECUTIVA NACIONAL DA CUT

 

 

facebook