Cunha sobornou Kroll para produzir relatório que o livre da cadeia

O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pagou R$ 1 milhão, com verba pública, para a Kroll, uma arapuca ligada à CIA norte-americana, para tentar se livrar da prisão iminente. Ele encomendou a “investigação” dos agentes da Kroll para se contrapor às provas já indetificadas contra ele pela Polícia Federal e o Ministério Público Federal. Cunha foi denunciado pelo executivo da Toyo/Setal, Júlio Camargo, por ter exigido US$ 5 milhões em propina para não atrapalhar os contratos com a Petrobrás. Camargo disse que pagou os US 5 milhões a Cunha e não tinha denunciado antes por medo de represálias. O deputado está usando métodos mafiosos para ameaçar testemunhas e advogados da Lava Jato.   

 

A tentativa de ludibriar a justiça e a PF com um contrato secreto com uma empresa estrangeira para tentar confundir a investigação não está sendo bem recebida pela Justiça. O STF já autorizou a investigação do mafioso e Cunha deverá ser denunciado a qualquer momento. Sua permanência da presidência da Câmara Federal não tem mais sustentação e a denúncia será a gota d´água para a sua saída.

 

Segundo o Painel da Foha de hoje, “pessoas que tiveram acesso ao relatório produzido pela Kroll para a CPI da Petrobras relatam que a empresa identificou indícios de discrepâncias "significativas" entre o que ela apurou e delações feitas por investigados na Lava Jato. Ou seja, a empresa recebeu R$ 1 milhão para produzir um relatório que livra a cara de Cunha e seu bando.

 

Integrantes da CPI avaliam que as delações feitas à Justiça não serão anuladas ainda que o colaborador tenha omitido informações. O que pode perder efeito, dizem, é o benefício obtido com os depoimentos. Será uma vergonha para o parlamento que o presidente da casa cobre propina, seja pego em flagrante e use dinheiro público para tentar salvar sua pele.

 

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!