Centrais confiam em grande ato nacional de protesto, nesta quinta


 

As Centrais Sindicais se reuniram na manhã desta quarta (10), na sede da Força, em SP, a fim de encaminhar as providências para o Dia Nacional de Luta com Greves e Mobilizações, nesta quinta (11). O indicativo dos dirigentes é de que será um ato forte, massivo e nacional.

O ato, convocado pela CUT, Força Sindical, CTB, UGT, Nova Central, CSP-Conlutas, CGTB, Intersindical e CSB, terá apoio também de entidades do movimento social. Mas o foco, ressaltam os sindicalistas, é trabalhista. O movimento sindical quer fazer andar a Pauta Trabalhista junto ao governo e ao Congresso Nacional. A pauta reivindica a redução da jornada para 40 horas, fim do fator previdenciário, suspensão do Projeto de Lei das terceirizações, fim das demissões imotivadas, 10% do Orçamento do PIB para a saúde e educação, transporte público de qualidade, fim dos leilões de privatização do petróleo e reforma agrária.

Forma - Por ser amplo e envolver diferentes categorias profissionais, em muitas regiões, o movimento terá vários formatos. Em São Paulo: as paralisações nas fábricas, e outros locais de trabalho, começam por volta das 5 horas. Ao meio-dia, os manifestantes se concentram no vão livre do Masp (na avenida Paulista). Por volta das 15 horas, deve sair passeata, descendo a Consolação até a Praça Ramos.

Metalúrgicos - O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes e dirigente da Força Sindical, Miguel Torres, ressalta: “Na reunião desta quarta com as lideranças das Centrais, a expectativa dos companheiros é de que amanhã será um dia histórico. Os trabalhadores estão mobilizados para realizar um grande ato em defesa da Pauta Trabalhista”. Em São Paulo, o Sindicato já mapeou as regiões e pontos de paralisação e concentração.

CTB - “Será um ato marcadamente sindical, com forte presença da classe trabalhadora”, afirma Wagner Gomes, presidente nacional da CTB.

Rodovias - No Estado de São Paulo, os manifestantes devem ocupar vias como Marginal Tietê, Radial Leste e outras avenidas. O protesto também vai paralisar trechos das rodovias Presidente Dutra, Fernão Dias, Bandeirantes, Castelo Branco, D. Pedro II, Anchieta e Raposo Tavares, entre outras. Em pontos do Interior e Litoral ocorrerão paralisações de trabalhadores e ocupação de rodovias.

Portos - Os trabalhadores dos principais portos devem paralisar as atividades, assim como os de várias obras do PAC. Em Santos (SP) - maior porto do País -, estivadores iniciaram às 7 horas desta quarta (10) protesto contra as mudanças no sistema de contratação de mão de obra previstas pela chamada MP dos Portos, aprovada pelo Congresso. A paralisação deve ganhar força amanhã, em diversos portos do País.

Metrô - No início da noite de hoje (10), o Sindicato fará nova assembleia para que a categoria decida se para ou não nesta quinta. Há tendência de paralisação por algumas horas, na parte da manhã.

Servidores - Além dos itens da Pauta Trabalhista Unificada, Servidores municipais, estaduais e da União, e setores ligados ao Judiciário, devem aderir às manifestações amanhã. Eles vão levar às ruas bandeiras específicas e cobrar os governantes de cada segmento.

Movimentos sociais - Em todo o Brasil, entidades do movimento social integram-se às manifestações. Em São Paulo, há um forte engajamento do MST e UNE. Há indicações de que 60 entidades do movimento popular apoiam o protesto desta quinta.

Segurança - Existe preocupação dos dirigentes das Centrais com a segurança dos manifestantes. “A tradição do movimento sindical é de atos organizados e pacíficos”, diz João Carlos Gonçalves, secretário-geral da Força Sindical. A UGT postou com destaque em seu site orientações gerais sobre a mobilização de amanhã. Há recomendação de que eventuais atos de vandalismo sejam fotografados e enviados para a denúncia de pronto. Endereço: comunicacao@ugt.org.br

Redes - As redes sociais também serão utilizadas pelas Centrais. A página 11 de julho – Dia Nacional de lutas (https://www.facebook.com/pages/11-de-Julho-Dia-Nacional-de-Lutas/457525381010001), no Facebook, tem a participação de todas as assessorias das Centrais que vão abastecer de informações sobre a mobilização.

Trabalhaores nas ruas - A hashtag #trabalhadoresnasruas será a marca das Centrais na rede.

Agência Sindical - A rádio web da Agência inicia transmissão às 5h30 desta quinta, com participação por telefone de lideranças sindicais, autoridades e intelectuais. Entrevista: às 16 horas, o consultor sindical João Guilherme Vargas Neto estará em nosso estúdio para analisar o movimento – a ideia é fazer um balanço. Nosso site também fará a cobertura das manifestações, com atualização durante todo o dia. Haverá informações, em tempo real, também pelo facebook da Agência Sindical e de João Franzin.

Mais informações: Sites das Centrais; site da Agência Sindical. #TRABALHADORESNAS RUAS

Clique aqui e confira a programação dos atos pelas Capitais.

 

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!