Advogado denuncia "fascismo" contra réus da AP 470

Diante das pressões da mídia contra supostos “privilégios” recebidos pelos condenados da AP 470 na prisão, o Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, determinou novas restrições aos petistas José Dirceu e Delúbio Soares, e seus companheiros de cela.

Eles foram obrigados a doar seus livros para a biblioteca da Penitenciária e agora têm apenas duas horas diárias para leitura — das 9h às 11h. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT) criticou a decisão pelo Twitter: “Nem ditadura militar era assim: presos da AP470 proibidos de lerem livros. Isso é fascismo”.

O sistema de visitas também mudou. Agora, os eles só podem conversar em ambiente dividido por um vidro duplo, sem ventilação e por meio de um interfone.

Dirceu e Delúbio foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal ao regime semiaberto, pelo qual, em tese, seriam obrigados apenas a dormir no presídio, podendo passar o restante do dia em liberdade. No entanto, estão há mais de um mês encarcerados em regime fechado – e, agora, sem direito a ocupar o tempo com a leitura de livros.

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal está sob o comando do juiz Bruno Ribeiro, que é filho de um dirigente do PSDB local.

Depois de chamar para si o comando das prisões, Joaquim Barbosa ainda mantém solto o delator Roberto Jefferson, que confessou ter administrado um caixa dois de R$ 4 milhões.

Advogado de perseguidos políticos na ditadura militar, Greenhalgh estuda tomar providências contra o que classifica como fascismo penal na execução das prisões da Ação Penal 470.

 

Fonte 247

facebook


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!