'Modelo qua causou queda do Lehman Brothers não mudou'

02/02/2013 23:38

 

'Modelo qua causou queda do Lehman Brothers não mudou'  

Sem uma proposta alternativa, mudança só pode ocorrer com repetição e aprofundamento da crise, algo que muitos consideram inevitável no atual modelo. “A crise vai se repetir porque o modelo que produziu a queda do Lehman Brothers não mudou. Precisamos é de algo novo que contemple uma mudança de regras do jogo no tema da propriedade dos bancos e no seu funcionamento”, diz Ismail Ertgurk, da Universidade de Manchester, à Carta Maior.

Nos anos 30, o capitalismo encontrou rapidamente uma saída para a crise abandonando o laissez-faire reinante e abraçando o keynesianismo. No epicentro da crise, os Estados Unidos, o New Deal de Franklin D. Roosevelt marcou uma virada radical no manejo da economia que contrasta com a falta de propostas que se observa na atual crise. Segundo o catedrático de economia comparada da Universidade de Cambridge, Gabriel Palma, o problema é político: “Ocorreu um esvaziamento intelectual da esquerda após a queda do muro de Berlim. O que ocorreu na Europa é que a esquerda terminou comprando o discurso neoliberal. O melhor exemplo deste esvaziamento é o “Blairismo” no Reino Unido e a terceira via”, disse Palma à Carta Maior.

A este beco sem saída político-intelectual soma-se uma inércia e automatismo do sistema financeiro que segue conservando seu lugar hegemônico por uma mistura de predomínio da lógica de curto-prazo, perigo de uma nova debacle e a duradoura influência do credo neoliberal. “A realidade é que, no momento, o centro do discurso neoliberal mudou pouco ou quase nada. A hegemonia do setor financeiro segue sendo a mesma. Enquanto essa hegemonia não for modificada não se pode falar de um novo modelo”, assinala Palma.

O fogo de FIRE
O programa de privatizações, liberalização comercial e desregulação consagrado no início dos anos 90 no famoso Consenso de Washington teve como resultado a crescente financeirização da economia e uma explosão do que, em inglês, é denominado pela sigla FIRE (Financiamento, Seguro e Setor Imobiliário). “Esta crescente importância do setor financeiro produz um deslocamento do investimento. O caso da General Motors é emblemático. Entre outras atividades financeiras, a empresa chegou a investir no mercado hipotecário. Isso não é uma simples atividade adicional de uma empresa para aumentar o rendimento de seu capital. É um deslocamento. Em vez de investir na produção começa-se a concentrar o investimento em produtos financeiros que oferecem lucros a curto prazo”, destaca Palma.

Segundo o economista Ismail Ertgurk, catedrático de sistemas bancários da Universidade de Negócios de Manchester, esse predomínio do setor financeiro é visível também na política que estão seguindo os bancos centrais dos EUA, do Reino Unido e da Zona do Euro. “Os bancos centrais estão se endividando perigosamente para resgatar o setor financeiro. Com isso estão expondo perigosamente a economia em seu conjunto, mas, além disso, os bancos não estão cumprindo sua função essencial: disponibilizar crédito. Enquanto o setor financeiro perseguir seu objetivo de lucro no curto prazo e não financiar o setor produtivo não poderemos sair desta crise”, disse à Carta Maior.

O piloto automático
Na União Europeia, que vive além disso sob o jugo das receitas de austeridade, a crise não dá folga, mas o modelo neoliberal e a financeirização seguem funcionando no piloto automático. Apesar disso, há algumas tímidas tentativas no marco do capitalismo desenvolvido para sair do laissez-faire e intervir com políticas que estimulem o setor produtivo e beneficiem setores mais amplos da população.

As três economias mais importantes do planeta são exemplos deste tímido reconhecimento da necessidade de uma mudança. Com Barack Obama, os Estados Unidos colocaram o acento em uma recuperação industrial e na limitação de sua dependência importadora, o que o levou o presidente a enfrentar todo o lobby político-midiático que se opunha ao resgate da General Motors.

No caso da segunda potência planetária, a China, foi posta em marcha uma mudança na direção de um modelo mais centrado no consumo e menos na exportação e na mão de obra barata. Este novo modelo, que a China pretende completar na presente década, requer melhores salários e maiores direitos sociais (acesso à saúde, educação, etc.). Na terceira economia mundial, o Japão, o novo governo do primeiro ministro Shinzo Abe apostou em um estímulo fiscal e em uma maior intervenção do Banco Central que flexibilizou seu rígido objetivo de inflação anual de 1% em favor de um com margem de 2%.

“São políticas dispersas, sem nada que defina um programa, mas apontam na direção da tendência histórica que é o pêndulo. Ou seja, o keynesianismo dos anos 30 apareceu depois do laissez-faire ultraliberal que dominou o pensamento econômico desde o século XIX. Este ultraliberalismo reapareceu nos anos 70 com a crise de keynesianismo”, disse à Carta Maior Eduardo Plastino, analista sênior da empresa de consultoria britânica Oxford Analytika.

Esta tendência ao movimento pendular parece encontrar uma forte resistência na própria financeirização do sistema. Um claro exemplo dessa resistência é o acordo firmado no dia 6 de janeiro pelo Comitê da Basileia sobre supervisão bancária (que reúne os bancos centrais do mundo) para flexibilizar no tempo as condições da tímida reforma bancária que havia acordado previamente para evitar crises como a de 2008. Segundo o Comitê, os encaixes (capital mínimo que o banco deve ter disponível para enfrentar corridas) exigidos pela reforma poderiam colocar em perigo a economia mundial ao secar a capacidade creditícia dos bancos que teriam menos dinheiro disponível para emprestar.

Com a corda no pescoço
Na falta de uma visão alternativa, a própria dívida se converteu em uma corda no pescoço, que asfixia, mas não enforca. Se antes da queda do Lehman Brothers, a dívida se concentrava no sistema financeiro privado, agora ela se estendeu ao Estado, seja pela via da dívida soberana ou pela dívida que estão contraindo os bancos centrais com seus resgates e sua emissão de dinheiro eletrônico, conhecida tecnicamente como aceleração quantitativa (quantitative easing).

Em um estudo global sobre a dívida, o Mc Kinsey Global Institute mostrou quem em 2011 a dívida total do Japão – a maior do mundo desenvolvido – equivalia a cerca de 512% de seu PIB (mais de cinco vezes o total produzido por sua economia no ano). O Reino Unido vinha em segundo lugar com 507%. A primeira potência planetária, os EUA, “só” tinham 279%.

Sem uma convincente proposta alternativa, por enquanto a mudança só pode ocorrer com uma repetição e aprofundamento da crise, algo que muitos consideram inevitável no atual modelo. “A crise vai se repetir porque o modelo que produziu a queda do Lehman Brothers não mudou. Do que precisamos é de um novo modelo que contemple uma mudança de regras do jogo tanto no tema da propriedade dos bancos como no de seu funcionamento. Não vai ser fácil”, disse Ismail Ertgurk à Carta Maior.

Tradução: Katarina Peixoto

Fonte Carta Maior

facebook